Sombini Arquitetura

Sombini Arquitetura

Isabel Fernanda Sombini
Arquiteta e urbanista
crea 5061233167



Arquitetura


Nesta seção há textos e opiniões, alguns de profissionais de arquitetura e urbanismo conceituados e atuantes, que despertam o interesse e acrescentam conhecimentos sobre a arte da arquitetura, cuja função é contribuir para melhorar a qualidade de vida do ser humano como indivíduo e ser coletivo.


A arquitetura

A arquitectura (português europeu) ou arquitetura (português brasileiro) (atual: arquitetura) (do grego arché -; a??? - significando "primeiro" ou "principal" e tékton -; t???? -; significando construção) refere-se à arte ou a técnica de projetar e edificar o ambiente habitado pelo ser humano. Neste sentido, a arquitetura trata destacadamente da organização do espaço e de seus elementos: em última instância, a arquitetura lidaria com qualquer problema de agenciamento, organização, estética e ordenamento de componentes em qualquer situação de arranjo espacial. No entanto, normalmente a arquitetura associa-se diretamente ao problema da organização do homem no espaço (e principalmente no espaço urbano).

A arquitetura como atividade humana existe desde que o homem passou a se abrigar das intempéries. Uma definição mais precisa da área envolve todo o design (ou seja, o projeto) do ambiente construído pelo homem, o que engloba desde o desenho de mobiliário (desenho industrial) até o desenho da paisagem (paisagismo), da cidade (planejamento urbano e urbanismo) e da região (planejamento regional ou ordenamento do território).

Neste percurso, o trabalho de arquitetura passa necessariamente pelo desenho de edificações (considerada a atividade mais elementar do arquiteto), como prédios, casas, igrejas, palácios, entre outros edifícios. Segundo este ponto de vista, o trabalho do arquiteto envolveria, portanto, toda a escala da vida do homem, desde a manual até a urbana.

A arquitetura é a arte na qual o ser humano está incluso.


A importância do Arquiteto

O homem é um ser dotado de sensibilidade e por isso, o espaço que o circunda deve ser significativo, ser vívido, relacionar-se com quem o habita. Não pode ser um espaço indiferente e impessoal.

A arquitetura, como "arte humana", busca perceber os desejos, anseios e necessidades daquele que pretende erguer sua moradia, seu local de trabalho, em espaços que possam ser sentidos, espaços que interajam com suas características pessoais. Ou seja, a construção deve ter a "cara" do cliente, concretizar aquilo com que ele sempre sonhou.

Todo esse lado sensível será conseguido também com trabalhos técnicos, onde o arquiteto deve buscar a melhor implantação no terreno, respeitando e aproveitando ao máximo a topografia existente, evitando assim, cortes e/ou aterros desnecessários, analisar a insolação, promovendo uma harmoniosa relação entre os espaços.

Deve-se considerar o entorno, ou seja, tudo aquilo que circunda o local, buscando o destaque sem opressão, pois uma obra sempre gera um certo impacto na paisagem e acaba sendo um indutor de transformação onde estão inseridas. Do ponto de vista da cidade - urbanismo - a arquitetura deve pretender um diálogo intenso com este meio, planejando e implantando soluções que estimulem qualitativamente a vida urbana.

Como todos nós temos necessidades, atividades e aspirações diversas, com base nessas informações o profissional de arquitetura organizará e distribuirá os espaços de maneira a atender todo o programa, da melhor forma possível. Serão definidos com o desenvolvimento do projeto arquitetônico elementos internos e externos, como o layout do mobiliário (disposição de móveis e equipamentos), pontos de elétrica (tomadas, interruptores) para que tudo possa ser organizado e iluminado de maneira correta, as melhores cores/texturas, os inúmeros tipos de materiais de acabamento, as esquadrias, a cobertura, enfim, tudo aquilo que torne o espaço cada vez mais significante, emocional e concreto para o cliente.

O projeto arquitetônico deve ser o fundamentado e detalhado, pois será a base para os demais projetos complementares que serão necessários, tais como o projeto estrutural, elétrico, hidráulico. A compatibilização desses elementos será feita também pelo arquiteto, em conjunto com os demais profissionais envolvidos, para que aquilo que foi pensado e criado seja construído de maneira clara, harmoniosa e segura para todos.

É também parte deste processo a própria obra, sua construção. Neste período é muito importante que o projeto arquitetônico esteja muito bem detalhado para sua perfeita compreensão e que a obra seja acompanhada por profissionais, para que a execução transcorra normalmente, sem maiores imprevistos. O acompanhamento e mesmo a administração da obra, embora possam parecer, à primeira vista, um custo desnecessário, podem evitar muitos problemas e gastos futuros, já que a materialização propriamente dita do sonho requer tempo, disponibilidade, organização e conhecimentos.


Construir sem trauma

"Nunca mais vou mexer com construção na minha vida". Certamente você já ouviu - se é que não disse - essa frase. Associar construção a um pesadelo é uma idéia tão difundida que, às vezes, chega a dar a impressão de que a humanidade se divide em dois grandes grupos: o daqueles que ainda sonham com a construção da casa própria e o daqueles que já o realizaram - e se arrependeram amargamente. Mas será mesmo que a construção tem que ser sempre uma experiência traumatizante?

O mercado está cada vez mais competitivo, as opções são inúmeras e se renovam a cada dia, e o cliente, cada vez mais exigente. Sintonizados com essa realidade, os antigos depósitos de materiais de construção se transformaram em complexas companhias especializadas em vender produtos e agenciar serviço. Funcionários são treinados para oferecer o melhor e mais adequado produto, os medíocres mostruários se tornaram fantásticos show rooms. A valorização do sonho de quem constrói tem se tornado exatamente o foco principal da indústria da construção.

Acontece que, além de explorar os diferentes estilos e desejos dos clientes, essa diversidade acaba atrelando uma série de outros "acessórios". Para assentar um determinado tipo de piso, por exemplo, é necessário comprar um cimento especial, um rejunte adequado... E por aí vai. A tecnologia oferece centenas de soluções e gera milhares de novas necessidades e dúvidas.

Para participar de todo esse avanço tecnológico o setor tem gerado também uma nova demanda de mão-de-obra especializada. Um pedreiro acostumado a assentar tijolos convencionais há 30 anos pode ficar completamente perdido diante de uma pilha de blocos estruturais. Nesse caso os longos anos de experiência não significam praticamente nada, pelo contrário, podem acabar atrasando a obra e desperdiçando o material (nada barato, por sinal).

Adequar as necessidades, os valores, os materiais construtivos e de acabamento, a mão-de-obra, o tempo e o orçamento, enfim, todas essas variáveis, não é trabalho simples, mas quanto mais completo e detalhado os projetos, menos dificuldade e desperdício, pois tudo estará devidamente especificado por profissionais capacitados. E quando dizemos projeto, nos referimos ao projeto completo, com todas as suas ramificações (vários desenhos, detalhes, indicação de materiais, cálculo estrutural, entre muitos outros) e não apenas ao projeto de aprovação na prefeitura (projeto simplificado), como muitos acreditam.

Com conteúdo e direcionamento corretos, a construção pode e deve acontecer sem traumas.


Pisos e revestimentos

As opções são infinitas! E é preciso especificar o produto correto para cada área e para cada uso.
O arquiteto poderá fazer esta orientação e oferecer o serviço de paginação, ou seja, o esquema de assentamento, indicando o tamanho da peça, o início da colocação (para que os recortes sejam os mínimos possíveis e o aproveitamento, o melhor), a posição dos detalhes (faixas especiais, como vidro, mármore, entre outros), para que o assentador seja orientado de maneira correta.

É preciso ter cuidado ao misturar materiais. Definir uma paleta de cores, ou uma ou duas cores é importante, e antes de comprar, ver se o resultado do conjunto é harmonioso. Melhor optar pelo clássico e tradicional, do que pecar pelo exagero. E isso vale não só para os acabamentos cerâmicos, mas também para as cores, texturas e objetos.

Basicamente são dois os tipos de assentamento de piso: reto ou diagonal. Cada um deles é indicado para uma situação, que será avaliada pelo profissional de arquitetura.

O assentamento ortogonal - reto - é o mais tradicional, e portanto, mais utilizado. Já no assentamento diagonal deverá haver um acréscimo de produto, pois há maior perda de material, devido aos recortes.

O uso de outros materiais, como pedras naturais, pastilhas e mosaicos, entre outros, são opções que enriquecem e valorizam os ambientes, formando um conjunto de destaque com cerâmicas e porcellanatos. Fique atento ao lay-out do mobiliário, para não correr o risco de localizar uma peça decorada importante sob os móveis, onde ela ficará escondida e perderá a função.

Porcellanato: este produto hoje é uma tendência mundial. Sua maior vantagem é aliar beleza e resistência, graças ao fato de sua massa de argila ser compactada a altíssimas temperaturas, o que praticamente a isenta de poros, com índice de absorção de água baixíssimo.
O porcellanato pode ter brilho ou ser acetinado ou ainda ser rústico, e alguns imitam pedras naturais com grande perfeição.
Mas vale lembrar que cada tipo de porcellanato é indicado para um uso específico.


Tendências

Assim como o mundo da moda renova e revive suas tendências, o segmento de acabamentos da construção civil também transforma e reinventa suas opções.

Acima de quaisquer modismos estão as pastilhas de vidro e porcelana. De 1x1 cm até 9.5x9.5 cm, esbanjam elegância e classe em qualquer ambiente, de piscinas até banheiros, passando por cozinhas. Hoje aparecem sozinhas ou combinadas com pisos e revestimentos cerâmicos, numa profusão de cores, formatos e possibilidades, com brilho ou acetinadas, artesanais ou industrializadas, com várias faixas de preço. Mas elas compensam o investimento, pois são duráveis, conservam o aspecto ao longo do tempo e têm manutenção fácil e prática.

A instalação requer paciência, cuidado e mão-de-obra especializada, para que os rejuntes sejam precisos, não deixando as emendas em evidência e cantos desnivelados.

Elementos naturais, como casca de coco e bambu, sobras de mármores reciclados e até peças de osso polido, fazem a linha ecologicamente correta e são apostas bonitas e surpreendentes em ambientes atuais e rústicos.

Revestimentos cerâmicos de tamanhos maiores e mais esbeltos, como os 30x60 cm e 30x90 cm, podem ser usados tanto na vertical quanto na horizontal, em parceria com filetes de vidro e faixas estilizadas. As superfícies vitrificadas, que remetem à transparência do vidro trazem leveza ao ambiente, dando um toque de atualidade e elegância.

Em lavabos os revestimentos cederam lugar às pinturas e papéis de parede, vedetes do momento para esses locais, que podem e devem ser personalizados, até mesmo com uma dose de irreverência. Para quem não abre mão de muita água na hora da limpeza, os lavabos podem ter revestimentos até meia altura, com filetes ou pastilhas dando o arremate final.


Pintura

É um dos acabamentos mais versáteis e práticos, pois é capaz de mudar e renovar o visual de muitos ambientes facilmente. Por este motivo, as pinturas invadiram certos lugares anteriormente destinados exclusivamente a revestimentos cerâmicos, como lavabos, banheiros e cozinhas.

De modo geral, as opções disponíveis são:

Cada ambiente deve ter uma cor que seja adequada à sensação que se quer obter, lembrando que, de modo geral, cores escuras podem diminuir e cores claras dão amplitude aos espaços.


Texturas

Práticas e bonitas, as massas texturizadas formam relevos e desenhos nas paredes. Podem ser usadas tanto interna quanto externamente, destacando apenas uma parede ou um conjunto delas. Podem vir coloridas de fábrica, mas a maioria somente em tons pastéis, tendo de ser encomendada uma cor específica ou aplicar tinta sobre este revestimento. Quanto aos efeitos, são inúmeras as opções, agradando a todos os gostos.

As rústicas - formam uma superfície mais rugosa e marcada - têm uma grande quantidade de quartzo moído. As manchadas ganham esse efeito em virtude de um reagente aplicado sobre a massa já na parede.

É sempre bom fazer uma pequena área como amostra, para ter certeza do tipo de desenho e cor a serem usados.


Iluminação

Para garantir que a decoração de um determinado espaço, seja ele interno ou externo, torne-se uma referência de bem-estar e conforto, é preciso que a iluminação seja muito bem planejada, por um profissional que analise a área em questão, em todos os seus detalhes e no conjunto.

Engana-se quem pensa que basta rosquear uma lâmpada e acende-la. A iluminação é muito mais do que isso, pois é necessário criar pontos certos e específicos, com luminárias e lâmpadas diferenciadas que vão destacar móveis, quadros, esculturas, uma parede especial...

Pensando nisso é que oferecemos o lay-out de elétrica, onde estudamos com o cliente suas necessidades, para compor um projeto com todos os pontos que devem ser executados.
Também especificamos as luminárias, criando um efeito luminoso belo e funcional.


Esquadrias

Esquadrias de Alumínio

Este material pode ser usado em todo tipo de construção e ambiente, uma vez que suas esquadrias são duráveis e resistentes. Atendendo às normas técnicas, tendo sido devidamente instalada e com manutenção adequada, duram mais de 30 anos.
Outra vantagem é permitir desenhos específicos, personalizando os caixilhos. São dois os tipos de acabamento: anodizado (banho eletrolítico antiferrugem), em tons que vão do champanhe ao preto e pintura eletrostática a pó.

Esquadrias de Madeira

O ponto forte deste material é o fator estético. Geralmente é mais barato do que as esquadrias de alumínio e PVC, mas exige manutenção muito mais constante, o que pode influir na hora da escolha do material.
Ao optar por esquadrias de madeira, observe se ela tem resistência mecânica adequada, se é firme e se não está empenada. é essencial escolher a espécie de madeira certa para cada situação.

Esquadrias de PVC

Hoje o PVC está mais difundido no Brasil. Feito de policloreto de vinila, ainda encontra dificuldades por ter custo mais alto do que outros materiais.
Suas principais qualidades são a resistência e facilidade de manutenção, além de isolar som e calor quando combinada com vidros duplos. Com os avanços tecnológicos, os problemas de envelhecimento rápido devido à radiação ultravioleta, segundos os fabricantes, foi totalmente resolvido, durando pelo menos 50 anos.


www.sombini.arq.br isabel@sombini.arq.br (19) 9762.0483

Sombini Arquitetura - Arquiteta Isabel Fernanda Sombini - Escritório e empresa de arquitetura e urbanismo, arquiteta e urbanista formada pela Universidade Mackenzie, projetos arquitetônicos, maquetes eletrônicas, projetos comerciais, projetos residenciais,projetos para escritórios, arquitetura de interiores, projetos de iluminação, paisagismo, ampliações, reformas, administração de obras, acompanhamento de obras, aprovações e regularizações de obras, construções, construtora, construção, construção civil, (arquiteto em Indaiatuba). Atende Indaiatuba, Campinas, Salto, Itu, Sorocaba, Jundiaí.


Desenvolvido por Guia-se Web Design